INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

O Grande Terramoto de 1755 - um testemunho de Jácome Ratton (1736-1821)


Época e sucessos respetivos ao Terramoto de 1755
     Entre os acontecimentos extraordinários da minha vida não devo omitir a meus filhos o que passei na ocasião do memorável terramoto de Lisboa, que teve lugar no 1º de Novembro de 1755, pelas nove horas e meia da manhã; e como fosse dia de Todos os Santos, tinha eu ido à missa à Igreja do Carmo, cujo teto era de abóbada de pedra, e derrubado matou muito povo que ali se achava, de cujo perigo escapei por ter ido mais cedo e me achar na dita hora nas águas-furtadas das minhas casas, mostrando a um comprador uma partida de papel que nos tinha vindo avariado, e ali se tinha posto a enxugar. Ao sentir o primeiro abalo me ocorreram muitas reflexões tendentes a salvar a minha vida, e não ficar sepultado debaixo das ruínas da própria casa, ou das casas vizinhas, se descendo as escadas fugisse para a rua; mas tomei o partido de subir ao telhado, nas vistas de que abatendo a casa, eu ficasse sempre superior às ruínas. Já quando eu tomei este expediente, era tanta a poeira que, à maneira do mais denso nevoeiro, impedia a vista a duas braças de distância; só passados alguns minutos, em que a dita poeira se foi dissipando, é que eu pude ver o interior das casas vizinhas, por terem caído as paredes fronteiras até aos primeiros andares, ficando os telhados apenas sustidos pelas paredes divisórias. Os seus habitantes, alguns ainda em camisa, correndo espavoridos de uma a outra parte, imprecavam os auxílios do Céu, e dos homens em seu socorro. À vista desta horrível cena, resolvi-me a descer as escadas e fugir para a rua, a fim de buscar alguma parte onde me julgasse mais seguro. Ao descer as escadas encontrei os meus pais que, aflitos, me procuravam nas ruínas de um grande pano de chaminé que tinha caído, e debaixo do qual me julgavam sepultado. Foi inexplicável o nosso contentamento quando nos encontramos; mas eu sem perder tempo lhes pedi que me acompanhassem para o largo mais próximo, que era ao fundo da rua do Alecrim; e encontrando de passagem D. Maria Castre, nossa vizinha, pouco mais ou menos da minha idade, que também fugia, a tomei pelo braço e seguimos a Rua dos Remolares por cima de entulhos e muitos corpos mortos até à beira-mar, aonde nos julgávamos mais seguros. Mas pouco depois de ali termos chegado, assim como muita gente, se gritou que o mar vinha subindo furiosamente dos seus limites; facto que presenciamos e que redobrou o nosso pavor, obrigando-nos a retroceder pelo mesmo caminho, e a procurar, pela rua de S. Roque, o alto da Cotovia, então obras do Conde de Tarouca, depois Patriarcal, e hoje Erário Novo, aonde também vieram ter, por diversos caminhos, os meus pais e os parentes da dita senhora, todos na maior inquietação por não saberem uns dos outros, como aconteceu a imenso povo, que procurou aquele sítio descampado, então terras de pão, desde o alto da rua de S. Bento até à travessa de Pombal e Cardais de Jesus, havendo apenas algumas casas na rua que vai desde o Pátio do Tijolo, ou obras do conde de Soure, até à fábrica de seda, que já existia, assim como também a casa de D. Rodrigo, atualmente Imprensa Régia, e o Convento dos Jesuítas, hoje Colégio dos Nobres. O descampado daquele alto dava lugar a descobrir-se a cidade por todos os lados, a qual, logo que foi noite, apresentou à vista o mais horrivel espetáculo das chamas que a devoravam, cujo clarão alumiava, como se fosse dia, não só o própria cidade, mas todos os seus contornos, não se ouvindo senão choros, lamentações, e coros entoando o Bendito, ladainhas, e o Miserere. Por fortuna, o céu se conservava claro e sereno, e o terreno enxuto, por não ter até então havido chuvas, nem as haver por oito dias mais, o que deu ocasião a fazer cada um os arranjos que lhes permitiam as circunstâncias.
     Na madrugada do dia seguinte, o meu pai convidou-me a acompanhá-lo às nossas casas, e ver se delas podíamos salvar alguma coisa, principalmente o precioso, livros, e papéis de maior importância. Não foi sem bastante trabalho que nos saímos bem desta empresa; porquando descendo pela rua de S. Bento, ainda com poucas casas, atravessamos do Poço dos Negros para o Poço Novo, tomamos a Calçada do Combro, e Rua do Loreto, para descermos ao fundo da Rua do Alecrim, de cujo lugar avistamos já em chamas a propriedade pegada com a nossa casa, restando-nos apenas tempo para tirar os artigos acima ditos, que metemos num baú, que meu pai por uma banda, e eu por outra, trouxemos, por entre as chamas em que ardiam as ruas do Alecrim, S. Roque e S. Pedro de Alcântara, até ao alto da Cotovia, aonde a minha mãe nos esperava. Dali partimos com o baú numa besta de carga que, por fortuna, apareceu, e nos dirigimos a uma quinta de uma pessoa de nossa amizade, sita na estrada do Lumiar, adiante do Campo Grande, aonde fomos bem recebidos, e alojados no jardim, debaixo de uma barraca feita de lençóis, e alastrada de colchões, sobre os quais dormiam promíscuamente, e sem se despir, tanto a gente de casa como a de fora, porque ninguém se animava a dormir debaixo de telha. Os hóspedes eram muitos, e pouco o comer porque todos tinham receio de se demorar na cozinha, que havia pago em comum era mal feito, e houve tanta escassez de pão que o meu pai e eu fomos com uma besta de ceirão buscar uma carga a Linda-a-Pastora [linhá pastora] nas vizinhaças da Barcarena.      Naquela quinta nos demoramos somente os dias necessários para nos refazer do vestuário indispensável, principalmente roupa branca; visto que não foi possível a cada um salvar mais do que aquela que tinha no corpo.



RATTON, Jácome, Recordações de Jacome Ratton sobre ocorrências do seu tempo, de maio de 1747 a setembro de 1810, 2-ª edição, páginas 18-21, Imprensa da Universidade, Coimbra, 1920.
Obra disponível em formato eletrónico no endereço:
https://archive.org/details/recordaesdejaco00ratt




A sombra dos dias

               Um galão direto e uma torrada com pouca manteiga  - pediu a empregada no balcão à colega. Podia até ter pedido antes,...