Fábula

- Solta-me – pediu o homem.
O urso acedeu ao seu pedido, e abriu a armadilha de dentes de aço que se fechara sobre a perna do caçador.
- Obrigado! – agradeceu este, aliviado, apesar das dores excruciantes.

O urso afagou-lhe o cabelo com a sua pata felpuda. Era emocionante, o modo como a comida sabia ser agradecida.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...