Ela

Despida de sombras, vestida de sol, a mulher nua dança e rodopia no círculo de magia da clareira do bosque, 
os animais contemplam, as serpentes rendem-se, a minha alma enche-se de luz.

Onde estavas tu, sacerdotisa, na hora da minha negra morte?!


Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem