Ela

Despida de sombras, vestida de sol, a mulher nua dança e rodopia no círculo de magia da clareira do bosque, 
os animais contemplam, as serpentes rendem-se, a minha alma enche-se de luz.

Onde estavas tu, sacerdotisa, na hora da minha negra morte?!


arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...