crueza

A vida é crua. Não quero isso dizer que ela careça de cozedura, tempero, preparação. É apenas crua, desnuda, punge ao olhar e à sensibilidade. A parteira que te dá um açoite para não atrasares o pranto, a fome que se insinua no teu ventre para que saibas que não és um deus, a mão pesada dum pai ou dum professor, os dramas ocultados por quem se aproveita de ti, e destrói a tua paz como se pisasse uma beata no chão. A vida é crua, mais vale perceberes isso. Não há super-heróis, santos, deuses ou anjos que suspendam a pancada, o golpe, a dor profunda. Não te queixes então, do destino ou da injustiça da vida. Já sabias que a vida era assim antes de destapares o esgoto do teu azedume, e tirares a vida a outra pessoa, que diante do teu ato se sentiu tão desguarnecida e oprimida como tu próprio sempre te sentiste.

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...