catás-estrofe

(depois da catástrofe, homens e mulheres montaram roldanas e cordame e uniram esforços para reerguer a grande ceiba caída, enquanto o xamã tentava sarar as raízes partidas e, em volta, as crianças recolhiam os frutos capsulares para os devolver de alguma forma aos ramos despidos; e ninguém se lembrou de que a árvore sagrada poderia preferir permanecer assim, como um guerreiro cansado a agonizar de rosto encostado ao da mãe).

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...