INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página
Sentindo a agonia do seu pai no leito, o filho cumpre o pedido que este lhe fizera. Toma duma estante os parcos livros que ele escrevera e, subindo à janela das águas-furtadas, despagina aquelas obras, soltando os seus personagens e versos no torvelinho manso da brisa, que as semeia pela cidade, do azeviche do alcatrão ao verde dos baldios crivados de lixo e drogados, e na cúmplice dissolução das águas cor de safira do lago.

Sem comentários:

Enviar um comentário

O Processo de Jesué Nazareno

     Texto original que foi submetido a um concurso literário (sem sucesso), transita aqui para o arquivo morto desta página, para o caso da...