ninho

    Na ponta do seu bico, carregando os materiais para o tronco mais robusto da árvore, a exótica avezinha foi construindo o seu ninho.
Pedaços de vidas, farrapos de ideias e opiniões, ligações abreviadas, promessas para o vazio e fios de memória.
Uns após outros, ligava os materiais, unindo-os e entrançando-os, na paciente construção dum ninho sem prazo e sem fim.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue