ninho

    Na ponta do seu bico, carregando os materiais para o tronco mais robusto da árvore, a exótica avezinha foi construindo o seu ninho.
Pedaços de vidas, farrapos de ideias e opiniões, ligações abreviadas, promessas para o vazio e fios de memória.
Uns após outros, ligava os materiais, unindo-os e entrançando-os, na paciente construção dum ninho sem prazo e sem fim.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...