ABCDário: X de Xacoco

   No alpendre sombreado da casa, a mãe olhou, com uma ponta (inconfessável) de pena, o seu filho mancebo. O rapaz estava sentado precariamente no parapeito do alpendre, com as pernas e os braços esticados em sentidos opostos. Tinha a barba por fazer, a camisa por fora das calças, todo desbarrigado, e aquela boca! Como é que alguém conseguia não deixar de olhar com repulsa para aquela boca onde já faltavam tantos dentes? Num jovem!
   - Não podemos deixar-te subir ao altar com essa boca tão feia! - disse-lhe em tom de promessa.
   O filho não deu grande atenção às suas palavras, e ela rematou:
   - Também te vamos arranjar umas roupas e uns sapatos apresentáveis.
   A displicência do enxacoco do filho não a desencorajou. Nos tempos que se seguiram, levou-o ao dentista e a lojas de roupas.
   -Faça um milagre com o meu filho - solicitou à dentista logo na primeira consulta - quero que ele fique bonito porque vai subir ao altar, ter uma vida nova e dar-me muitos netos.
   A dentista sorriu diante das suas palavras, e a verdade é que a sua obra pareceu no final um autêntico milagre - o filho dela ficou com os dentes completos, e a brilhar como marfim polido. Quando se ria, dava gosto admirar os seus dentes, mesmo que ele continuasse, como antes, a cuspinhar saliva.
Uns meses depois da resolução que tomara para a vida do seu filho melhorar, a velha tirou mais algumas notas do seu esconderijo - uma lata vazia de feijão em meio ao recato da despensa da cozinha - e organizou um pequeno lanche para os amigos e vizinhos. Quando estavam todos a debicar na mesa com comes e bebes que ela montara no alpendre, chamou pelo filho, que saiu a medo do interior da casa com os olhos cravados no chão, envergonhado pela presença de tantas pessoas. E essas pessoas aplaudiram energicamente a metamorfose do jovem. Parecia outro com os dentes arranjados, e as roupas e os sapatos novos. "Parece um noivo!" gritou um amigo da família, improvisando um brinde com o vidro das taças do vinho a repicarem sobre a mesa.
   - Um minuto de atenção - pediu a mãe, levantando a voz - este meu filho, como está agora, está preparado e pronto para subir ao altar. E tal como eu disse que o poria como novo, como de facto cumpri, prometo-vos agora que vou arranjar-lhe uma noiva e levá-lo ao altar. E tenho de ser eu a conseguir uma noiva para ele, porque se Deus deu ao meu filho toda a beleza que alguma pessoa pode desejar ter, não lhe deu o tino e a inteligência para isso! Ele vai casar-se e, se necessário for, ficarei no quarto dos noivos para os ensinar a darem-me netos, que não hei-de morrer sem os ter!


Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue