Xerazade


   Quando Xerazade contava as suas histórias, vinham pessoas e animais de todos os cantos do reino e enchiam as salas do palácio do rei persa Xeriar, presas do encanto das suas palavras. Artesãos e mercadores, corças, tigres e crocodilos, aves de plumagem colorida e serpentes mansas como cães de porcelana – preenchiam o chão e as cornijas, pousados nos móveis e nos candeeiros, ou nadando nos tanques odoríferos dos salões. À medida que as noites se sucediam, e os anos com elas, Xerazade foi enfraquecendo até as suas palavras serem libertadas num fio de voz que todos escutavam num profundo silêncio. Quando sobreveio a sua morte, todas as pessoas e criaturas ficaram para morrer.



Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue