Vestia-se de carmesim e pintava os lábios da mesma cor para a chegada do jovem amante. Esborratava-se com o cinzento dos dias quando sabia que o touro se arrastava para casa.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...