Em outros tempos, brincava com as palavras. Depois, tornou-se muito grave para o fazer, e manuseava as palavras como frágeis antiguidades ou hóstias sagradas. 
   Já não sente alegria com as palavras mas, em compensação, já o deixam exibir o título de escritor.


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...