Insegurança


- Jura que eu sou a mulher da tua vida.
- Sim
- Mas jura! Jura que não há outra mulher, uma mulher-serpente que te recebe no seu covil de prazer, ou uma cobra lasciva que se enrola no teu sexo para te dar prazer. Quero que jures, jura, jura por todas as nuvens de chuva e por todos os frutos das árvores! Jura pelos cereais bravios que recolhemos para o pão e pelo ferro caído dos céus que forma os nossos utensílios! Jura pelas noites e dias de prazer que eu te dou! Jura pelas estrelas no céu e pela terra sagrada que os nossos pés pisam com fervor!
- Está bem, Eva, eu juro!
- E juras que o teu juramento é sincero e que não me estás a enganar?

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...