Miniatura 25

   O homem destelhado anda com a telha, a angústia destalha-lhe o sangue nas veias, e a fúria talha pacientemente o granito frágil das suas forças com a mesma volúpia com que retalha o tecido esgarçado dos seus pretextos de vida.
   O homem destelhado está deste lado, do lado dos crédulos a quem foi prometido o Céu e que não têm para onde ir, do lado dos apátridas e dos sem abrigo a quem uma simples casa pareceria a um tempo a Terra Prometida e a Jerusalém dos céus.
   Porque o homem destelhado não tem telhas sobre si,
   e chove.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...