Miniatura 15

A aliança

   Aproximou-se da berma da cama onde a sua amante se vestia, ajudou-a com o fecho do soutien e, enquanto ela envergava a blusa, ele estendeu-lhe uma caixinha quadrada revestida de veludo azul. Ela fez um ó de surpresa com a boquinha de bâton esborratado, e abriu-a (à caixinha, bem entendido). Um anel com uma pedra preciosa iluminou-lhe o olhar:
   - Amor, é lindo! Obrigada!
   Ele pigarreou e floreou o seu pequeno discurso.
   - Para mim simboliza uma aliança. Não és a minha esposa legítima, mas preenches esse papel aos meus olhos, aos olhos de Deus, aos da recepcionista lá embaixo, do ascensorista e das duas ou três criadas que nos arrumam o quarto. Espero não me ter esquecido de ninguém, porque também não me convinha que muitos olhos admirassem esta nossa união abençoada no altar da paixão.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue