Miniatura 11

   O jarro cresceu junto à janela da cozinha, despontando dum pequeno canteiro onde nada mais medrava do que ervas e trevos, cresceu muito, e as suas flores brancas com o pedúnculo amarelo alegravam a vista a quem olhasse o exterior a partir da janela da cozinha. Aquela planta deu-se muito bem ali, e as suas flores acariciavam o vidro frio com o toque macio do cálice. Nunca ninguém se perguntou porque é que aquela planta se dera tão bem ali, num canteiro de terra pobre onde só as ervas e os trevos encontravam sustento; porque ninguém pensa nas plantas como seres autónomos com vontade e desejo. Se porventura o fizessem, teriam notado que no umbral da janela da cozinha, repousava, negligenciada, uma pequena molheira em estanho, cujas forma se assemelhava à do jarro, e cujo brilho, dum prateado fosco, era merecedor do fascínio de qualquer flor.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...