Nos jardins do escritor consagrado, as flores dum dos canteiros cheiravam melhor do que João Doe, e as pétalas e as sépalas das palmas e petúnias farfalhavam sob a brisa com mais ruído do que João Doe.
   O João Doe destes dias já não reclama nem chantageia. Serve de adubo às flores dos jardins do escritor consagrado.
   E nem mesmo por isso lhe reconhecem o mérito.


[ainda o escritor-fantasma...]

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...