Nos jardins do escritor consagrado, as flores dum dos canteiros cheiravam melhor do que João Doe, e as pétalas e as sépalas das palmas e petúnias farfalhavam sob a brisa com mais ruído do que João Doe.
   O João Doe destes dias já não reclama nem chantageia. Serve de adubo às flores dos jardins do escritor consagrado.
   E nem mesmo por isso lhe reconhecem o mérito.


[ainda o escritor-fantasma...]

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem