Demência


     Faleros enlouqueceu, diz que ouve sereias junto à costa. Sereias! Se isso cabe na cabeça de alguém. E agora deu para ver se as consegue encontrar. Desce a arriba até à praia, esquadrinha os destroços de trirremes que apodrecem nos rochedos e anda ali para trás e para a frente até a Lua se erguer nos céus. Quando regressa, Faleros vem a sorrir, diz sempre que não as viu mas que conseguiu ouvir alguns ecos dos seus cânticos em meio ao murmúrio das ondas. Já não sei o que fazer com Faleros! Como se nós, os sátiros, nos pudéssemos permitir tais fantasias.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...