Woodyallenesco

    Num pub irlandês, Lobsang Rampa confrontou o homem que assinava os seus livros como Lobsang Rampa.
    - Os gelos já beijam as nascentes do Ganges – ralhou o lama ancestral.
    - A flor de lótus dos jardins do palácio de Sinarkanda acaba de se abrir – defendeu-se o autor.
    O lama ancestral aceitou a sábia resposta e abandonou o corpo do autor, esvoaçando para Lhasa.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...