versos alejandrinos


A obscuridade das águas

Ouço ressoar a água que cai no meu sonho.
As palavras caem como a água eu caio. Desenho
nos meus olhos a forma dos meus olhos, nado nas minhas
águas, digo-me os meus silêncios. Toda a noite
espero que a minha linguagem logre configurar-me.  E
penso no vento que vem até mim, permanece
em mim. Toda a noite caminhei debaixo da chuva
desconhecida. A mim deram-me um silêncio
pleno de formas e visões (dizes). E corres desolada
como o único pássaro ao vento.

Alejandra Pizarnik
(1936-1972)

Poesia completa AQUI

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...