Alzheimer, ou a reminiscência


   Na mitologia grega, depois de morrerem, os mortos cruzavam o rio Letes, onde se esqueciam de tudo.
   Aos que isso acontecera em vida, porque um génio ou um deus lhes apagara a memória, ou porque se haviam alimentado da flor de lótus durante demasiado tempo, os guias do mundo inferior conduziam-nos ao rio Mnemósine, onde todas as recordações regressavam aos seus espíritos vazios antes de atingirem as planícies eternas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...