a dúvida

     Na obscuridade do quarto, ele despiu as roupas dela com gestos langorosos, semeando beijos no seu corpo magro e ossudo. Em seguida, tirou-lhe a cabeleira postiça. que ocultava a calvície da sua cabeça, e que ela preferia ao lenço apertado que usara após as primeiras sessões. Ela interrompeu os seus beijos e carícias, levantou-se da cama e acendeu o candeeiro de tecto.
     - Ainda gostas de mim assim? - perguntou, com voz firme.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...