Demasiada informação

   Noite de amadores num bar de cidade de província. Após uma deprimente imitação de Zeca Afonso, sobe ao palco um jovem imberbe que o apresentador anuncia como uma vigorosa promessa do Stand-up Comedy.
   Aplausos. E todos aguardam no escuro, a amolar as facas debaixo das mesas. O jovem no palco está nervoso, transpira por todo o lado, espia a sua cábula num papelinho, e apalpa o terreno.
   - Já alguém ouviu falar de Enkidu?
   Ninguém ouvira, ou ninguém se acusava.
   - Enkidu era na lenda uma criatura da floresta. Vivia com os animais, pascia com eles e bebia leite das tetas da gazela.
   Primeira gargalhada, e o jovem anima-se.
   «Enkidu nem parecia um homem, tinha pêlos compridos por todo o corpo como o Chewbacca da Guerra das Estrelas, ou como a minha noiva antes de ir à depilação.
   Nova gargalhada, e ele fica mais ambicioso. Acertar na mulher dá sempre resultado, mas a sua ambição cega-o.
  «Enkidu era amigo dos animais, e destruía as armadilhas dos caçadores, e alertava os animais quando algum homem se aproximava.
   Silêncio.
   «Então, os caçadores pensaram numa maneira de prejudicarem Enkidu, e puseram junto ao rio uma prostituta toda nua com instruções para o seduzir. Veio o inocente Enkidu para beber água no rio como os outros animais, e viu a mulher nua. Cobriu-a com o seu corpo, e mantiveram relações durante seis dias e sete noites.
   Parou para tomar fôlego. A sala estava mergulhada num silêncio de velório, do seu velório.
   «Acontece que, quando Enkidu se afastou da mulher e procurou os seus amigos animais, estes já não o reconheceram, ele abrira os olhos e tinha o cheiro de gente. A mulher ensinara-o a comunicar como os humanos e os animais já não entendiam a sua linguagem.
   O silêncio ameaçava esmagá-lo, e reagiu depressa, por instinto. Sabia que havia sempre outros trunfos que poderia usar. Piadas com raças, homossexual, sogra, ou qualquer piada de cariz sexual.
   «Escusado será dizer que se costuma dizer que Enkidu cobriu a mulher com o seu corpo como se se tivesse deitado em cima dela, quando todos deveriam dizer que a cobriu por trás, que é como fazem os animais.
   Pálidos sorrisos, a atmosfera aligeirou-se um pouco, ele estava empatado com o público. Passou ao ataque.
   «E Enkidu acabou por se casar com a prostituta, e acabou por encontrar o único animal na vida que não sentia rejeição por ele - a sua sogra!».
   A sala rebentou num forte aplauso, que subiu de intensidade quando o jovem fez uma larga vénia, aproveitando para abandonar o palco.
   O apresentador interpelou-o à saída do palco para lhe dar os parabéns pelo número, e ele retorquiu logo:
   - Eu tinha dito ao senhor que era capaz de fazer humor inteligente!



Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue