nado-morto

   Traz no peito uma confusão enorme e uma palavra nova por eclodir, tem na garganta um nó onde o rio se estancou e a voz se fez paúl, caminha, pé depois de pé arrastando o seu peso, que o remorso pesa mais do que ele, e o corpo perambula com esforço quando a cinza dos seus sonhos lhe entrava os movimentos. Traz no peito uma confusão enorme e uma palavra nova por morrer.


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...