entretenimental

   O Escrevedor de Parábolas, só conseguia criar uma parábola quando uma outra parábola morria nas antípodas.Um dia, ele próprio morreu, ao mesmo tempo que no outro lado do mundo, nascia um novo Escrevedor.

   (enquanto escrevo isto, e neste preciso momento, há uma parábola a agonizar nas antípodas. Quase consigo visualizar a sua agonia, e os movimentos desconexos das suas plumas coloridas de ave ou grifo).


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...