Hipodâmia

   - Onde vais? -perguntou à mulher, vendo-a perder tanto tempo a arranjar-se diante do espelho, pintura nos lábios e nas pestanas, um tom nas faces, risco nas sobrancelhas, outro creme esbatido no pescoço para disfarçar a pele enrugada.
   Ela respondeu quando lhe apeteceu, e isto quando já se ocupava do cabelo.
   - Vou àquela conferência com Quíren, já to tinha dito!
   -Ah, isso!...
   Uma conferência, e à noite, e logo na companhia dum centauro.
   Enquanto a mulher escolhia um vestido, parecendo incapaz de tomar uma decisão, ele aproximou-se da janela do apartamento e espreitou lá para fora. Quíren já estava lá em baixo à espera, parecia um pouco impaciente, as patas da frente apoiadas no topo em abóbada duma boca de incêndio, e as de trás a dançarem, martelando contra o alcatrão. Os cabelos compridos ondeavam ao ritmo do corpo. Um centauro! Tinha logo de calhar um centauro à sua mulher! Todos sabiam como eles tinham fama de lúbricos insaciáveis. Não se sentia descansado.
  Ouviu o retinir do comunicador do prédio e correu a atender.
  - Deve ser o Quíren, amor, importas-te...? - gritou a mulher, do quarto.
  - Sim, Quíren?! - disse ao comunicador no instante imediato.
  - A sua esposa está um pouco atrasada, o curso começa às nove...
  - Ela sabe...o curso ou conferência é sobre quê?
  - Sobre a crise da instituição do matrimónio, ou uma coisa assim...
  - Ah! Muito bem. Diz-me uma coisa, Quíren, aqui para nós, que a minha mulher não está a ouvir...
  - Diga!
  - Sabes que ela é casada, ou seja, que eu e ela somos casados, ou seja, que eu sou casado com ela. Não vais trazer a crise ao nosso matrimónio, pois não?
  - Quer saber se eu vou apenas com ela ao curso, ou se a vou levar para um quarto qualquer e montá-la até a rachar ao meio?
  - Sim, mais ou menos isso...
  - Esteja descansado, vou tratá-la como a uma donzela, ou como se eu próprio fosse uma tímida donzela.
  - Juras?
  - Juro!
   Respirou fundo. A mulher chegou-se ao pé dele com o seu vestido de eleição - um pouco decotado para o seu gosto - e despediu-se dele com um beijo fugaz. Ficou a observá-los da janela, procurando motivos para se sentir mais tranquilo. Viu aparecer primeiro a mulher, a descer o passeio, enquanto procurava qualquer coisa na carteira. Só depois viu Quíren, que seguia atrás, e que se imobilizara no passeio, a esgrimir com o seu pénis contra a boca de incêndio.

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem