dificuldades

   "Passa por casa da minha mãe, e vê se ela precisa de alguma coisa. Mas sê simpático!" - recomendara-lhe a mulher. Ele acatou a recomendação. Depois de sair do trabalho, passou pelo prédio onde morava a sogra, tocou a campainha cá em baixo, ouviu-a perguntar quem era, respondeu e o trinco eléctrico da porta abriu-se. Subiu os quatro lances de escadas até ao segundo piso. A porta do apartamento estava encostada. Entrou.
   - Dona Dulce? - perguntou com um pé no interior.
   - Estou na casa-de-banho - respondeu ela aos gritos - está tudo bem, meu genro? Entra para a sala, que eu já aí vou.
   Passou à sala, a televisão estava ligada, exibindo uma telenovela mexicana com actrizes com a cabeleira enlacada, e actores de bigode ralo e patilhas compridas. Baixou discretamente o som e sentou-se, cruzando a perna. Ouvia barulhos estranhos na casa-de-banho, pancadas contra a porta, o som dum banco de madeira a embater no chão de mosaico, exclamações contidas de esforço ou desespero. Pegou num prospecto pousado na mesa de centro da sala, que publicitava um aparelho auditivo, e procurou ler com algum resquício de interesse, mas os ruídos na casinha do lado sabotaram essa tentativa. Caramba! Não tinha o dia todo! Levantou-se e aproximou-se da porta da casa-de-banho.
   - Dona Dulce?! Está tudo bem?
   A porta abriu-se e ela saiu ao pé-coxinho, a segurar o banco de madeira numa mão e a perna na outra.  Sentou-se pesadamente, com um ar de derrotada.
   -Ajuda-me a enroscar a perna, por favor! - pediu.
   Ele acedeu. Ela sentou-se com a bacia um pouco levantada de lado, ele encontrou a fêmea do parafuso de platina da perna e enroscou-a até ao fim, tendo o cuidado de verificar se a ponta do pé estava mesmo apontada para a frente.
   - Desculpa o trabalho, meu querido.Vou só voltar à casa-de-banho um momento, e depois podemos conversar longamente na sala sobre a família, o governo da nação, e os episódios que me acontecem neste prédio.
   Sê simpático! Sê simpático! Sê simpático!
   - Dona Dulce?!
   - Sim, meu filho?
   - Antes de entrar na casa-de-banho, não quer que eu lhe enrosque melhor a cabeça?

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem