timing

   O homem triste chegou-se ao pé do irmão, abraçou-o com força, e disse-lhe: "Gosto muito de ti! Perdoa-me se alguma vez te aborreci...". Disse - quase - o mesmo, à Leonor, a filha pequena, que sempre lhe aturara os maus modos e os ralhos, e à mulher, Esmeralda, que nunca deixara de gostar dele, mas sempre apesar de; e, finalmente, ao Afonso, o seu amigo vintage, que tinha o à-vontade suficiente para o mandar à merda quando ele o merecia, mas que, em contrapartida, era leal e bem-humorado, e com o seu feitio generoso, conseguia suavizar as asperezas do seu temperamento. Eram abraços, eram palavras. Mas apenas isso. O tempo dele havia passado porque ele e os outros eram formados por substâncias distintas e imiscíveis.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...