vida profunda

   "estou sentado a um canto, e consigo sentir em volta o rumor de máquinas que são menos reais do que estas palavras que escrevo num pequeno bloco, sinto-me em harmonia com o ritmo das marés e das ondas, a sentir o meu coração bater na mesma cadência do aquático alento dos peixes e criaturas bizarras das profundidades, deslizo pela água, sou um com a água, translúcido e despojado como uma medusa o ondear as suas pregas num bailado único".
   Ouve roufenhar o comunicador, e larga o bloco.
   - marinheiro - grita o comandante - o torpedo seis não foi libertado, vê o que se passa porque a caça promete.

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem