o lugar a que se pertence

   - O seu lugar é mais adiante, naquele espaço no meio da praça!
   Ah, que bom! - pensou consigo mesmo. Finalmente alguém lhe dizia qual era o seu lugar, o lugar onde se encaixava. Seguiu as instruções, e ocupou o seu lugar no meio da praça, depois de passar com muito cuidado por cima das pessoas deitadas no chão empedrado. Parecia pertencer a um puzzle gigante, no qual cada pessoa era uma peça, e ele, a última peça e a última pessoa a chegar ali, é que iria finalizar, completar o puzzle. Sentiu um imenso orgulho. Deitou-se no chão, com o corpo em éle, dobrado pela cintura, e quando estava já encaixado, perfeitamente encaixado no seu lugar e no seu espaço, os militares posicionados no telhado da igreja começaram a disparar as metralhadoras sobre eles.

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem