morar e viajar

   "Vivo numa casa assombrada habitada por muitos fantasmas e espíritos,mas não tenho medo deles e até os procuro!" - afirmava a bibliotecária.
   As pessoas estranhavam o seu discurso e pensavam que ela estava a ficar xéxé da cabeça, mas não, apenas divergia do comum no uso das palavras. Quando falava em casa, pensava na biblioteca, e quando falava no que uma casa pode conter - quartos, salas, corredores - pensava em livros, cheio de gente e de impressões, e cujas portas franqueava de cada vez que abria um livro.

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem