conversa

- De que é que eu me queixo, doutor? Do mesmo. Tenho sempre sede, bebo e bebo mais e continuo com uma sede dos diabos...
- Já tínhamos visto isso da última vez e eu acho que deve ser diabetes, quando se começa a ter diabetes, tem-se muita sede.
- Muita mesmo, doutor, bebo e bebo e a sede é sempre a mesma. Eu fui fazer as análises que você disse, mas o laboratório aqui da aldeia manda os exames para serem feitos fora, e vai e vem e pode levar meses, e a sede não diminui.
-Tinha-o aconselhado a algumas medidas cautelares, para o caso de ser mesmo diabetes. Uma dieta alimentar, por exemplo...
- Correcto, segui-a à letra.
- Folha de eucalipto fervida?
- Sim!
- Cerefólios e tapeinóquilos marinados em conhaque?
- Sim!
- Estames de astromélias e tumbérgias, cozidas em pão de centeio.
- Confere!
- Carne de perdiz com folhas de brovália e dipladénias.
- Confere!
- E diz que não sente melhoras e que a sede se mantém?!
- Certo, doutor, bebo continuamente e não há meio da sede passar...
- Nesse caso, enquanto as análises não chegam da cidade para tirarmos teimas, acho que deveríamos pensar em optar pelos Alcoólicos Anónimos....

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue