A qualquer hora, em qualquer Estação do ano

   Leu muito, escreveu muito e defendeu com unhas e dentes os seus rebentos até finalmente atingir a celebridade. Agora é um autor consagrado e rico que se passeia orgulhosamente pelas avenidas e salões com o seu sobretudo de pele de zibelina, o monóculo graduado, o chapéu de aba descaída; nunca dispensando de trazer no bolso do sobretudo um exemplar minúsculo de chumbo, o chumbo da mesma arma que fez tombar a celebridade.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...