os enganos da penumbra

paraíso,
é reencontrarmos depois da morte todas as pequenas e grandes alegrias que experimentamos e as pessoas e lugares que estiveram na sua origem.

inferno,
é descobrirmos que, afinal, ainda nem sequer morremos, e que tudo isso não foi mais do que uma erupção de luminosas memórias antes de nos dissolvermos no nada.

1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...