INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

Sawyer / sour


  O menino louro percorria a berma do riacho com a sua cana de pesca, procurando um bom lugar para se sentar e tentar a sua sorte. O caminho era acidentado, porque tinha de escalar as pequenas rochas da margem, e não podia contorná-las por fora, porque era muito denso o emaranhado de arbustos, árvores e trepadeiras da mata. Numa dessas pequenas escaladas, e sempre sem tirar os olhos das águas turvas para avaliar a abundância de peixes, viu algo estranho no fundo das águas - uma flor. Era estranho, parecia mesmo uma margarida com o seu coração acastanhado e a sua coroa de pétalas brancas, mas isso era impossível, as margaridas não cresciam debaixo de água, a menos que um braço de rio tivesse acabado de cruzar as suas margens habituais e a tivesse submergido no processo. Ficou um instante, pasmado, a olhá-la. Pensava na margarida, e pensava em Becky, de olhos castanhos e cabelo encaracolado, a mordiscar um fio de erva enquanto os dois conversavam empoleirados no tabuado da vedação de madeira. Becky...pousou a cana na rocha, depositou em cima dela o chapéu de palha e as sandálias velhas e mergulhou no rio. Pensou que seria simples apanhar aquela flor, mas quando a sua mão estendida ia apanhá-la, um torvelinho da corrente, empurrou-o de lado e atirou-o contra uma rocha. Lutou para nadar até à superfície mas o seu corpo ficou outra vez enrolado nas águas e sentiu-se a ser arrastado pelos seixos do fim e atirado novamente contra uma rocha. Perdeu os sentidos, e quando acordou estava sentado num lugar na penumbra. O rio e a sua corrente desenrolavam-se a pouca distância, mas não ouvia o seu som porque parecia estar do outro lado dum vidro espesso. Avistou os seus pertences em cima da rocha, e a curva do rio onde despontava a margarida. Começava a inquietar-se por não saber onde se encontrava, quando sentiu um braço meigo cingir-lhe o peito, e uma presença querida junto a si, que o envolvia no aroma de lavanda que os cabelos da sua mãe sempre libertavam.

Geena

                No rincão das matas enegrecidas, onde as árvores carbonizadas se assemelhavam a costelas fraturadas do corpo de uma ...