fait-divers

   Sala de espera do consultório do médico. Pego timidamente num jornal pousado numa mesinha e leio as gordas. E digo timidamente, porque esperava ser chamado a qualquer instante. Mas não sou. Como a espera se prolongasse, começo a ler as magras e, uma hora depois, quando finalmente sou chamado para a consulta, já começara a ler as anorécticas.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...