espírito natalício

     No beco sujo e cheio de luxo, o sem-abrigo andrajoso encontrou no chão um casaco preto, quase novo, e silvou de alegria enquanto o vestia. Voltou a por a sua trouxa ás costas, e ainda não tinha dado dois passos, quando descobriu um gorro largado no chão, que enfiou na cabeça, e logo depois umas calças e uma camisola de lã atiradas para um canto. Tendo mudado de roupa e enfiado as velhas no saco, descobriu então a arma, brilhante e de cor da prata, a espreitar entre dois caixotes do lixo. Empunhou-a. Não precisava da arma, mas se a conseguisse vender, obtinha uns trocos para a comida. Com a nova indumentária e empunhando o revólver, chegou à entrada do beco, onde não encontrou mais nada, mas foi encontrado pela polícia.

1 comentário:

  1. Ótimo, mas depois de ler os dois anteriores... ficou simples.

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...