A bola de cristal

   - Diga-me o que vê aí?! - pediu-lhe, um pouco assustada com a expressão grave da vidente que acariciava o globo de vidro com as mãos finas e ossudas.
   - Você é uma mulher nova e trabalha...trabalha...
   - Num escritório! Como é que sabia?
   - Silêncio, por favor! Preciso concentrar-me. No local de trabalho, tem vindo a criar-se há poucas semanas, um forte ambiente de tensão...
   - Por causa dos aumentos! Só aumentaram o ordenado de cinco pessoas, e todas próximas ás chefias. É inadmissível aquilo, porque todos trabalhamos forte e feio!
   - Mas vejo alterações para breve no seu local de trabalho...
   - É muito verdadeiro. A Ana Sofia vai entrar em licença de maternidade e está previsto eu ir fazer o lugar dela no processamento de salários. Nunca aqui tinha vindo, mas a senhora é o máximo dos máximos!!
   - Peço-lhe silêncio uma vez mais, a bola é um canal que o meu espírito perscruta, mas preciso do silêncio.
   - Desculpe-me...E afectos? O que me pode dizer sobre isso?
   - Há uma pessoa no escritório interessada em si.
   - É o Saraiva! Não é mal parecido, embora todos digam que é um tarado sem sorte com as mulheres. Diz quem viu, que a casa dele parece um armazém de revistas e filmes pornográficos.
   - Por isso mesmo, tem de agir com cautela, e talvez nem ligar. Mas há outra pessoa...hum...acho que não é do escritório...é mais atraente que o Saraiva, e acaba de sair dum casamento ou duma relação complicada...
   - Já sei, é o Nunes, é bombeiro e separou-se agora da companheira, costumo encontrá-lo no ginásio e estou sempre a galá-lo ás escondidas.
   - O interesse é mútuo, e já é altura de passar à acção.
   - Obrigado, dona, muito obrigado. Tenho de ir agora. Posso dar-lhe um abraço?
   Levantaram-se as duas, e a consulente abraçou-a com força, não conseguindo disfarçar a comoção e a alegria que sentia pelas boas notícias. Quando ia a sair da sala, a vidente chamou-a e, limpando discretamente uma lágrima teimosa, avisou:
   - Quando sair daqui, não atravesse a rua antes de chegar ao Estádio, ou algo de muito mau pode acontecer!

Mensagens populares deste blogue

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue

A viagem