estória paralela 2

     Um empreendimento imobiliário em Cornwall, Inglaterra, levou à escavação duma área imensa para se construírem os alicerces das futuras casas. Enquanto as escavadoras estavam em acção, uma delas trouxe á superfície o fragmento dum rochedo com uma espada cravada até à bainha. A espada, à qual não se concedeu uma importância de maior, foi libertada do sua prisão de pedra e estimada pelos especialistas como datando do século V ou VI. Continua a ser estudada, mas é claro que, apesar da sugestão, essa espada não podia ser a Excalibur do rei Artur, que este retirou da pedra e empunhou até à morte.
     Ou podia.
     Podia ser que um homem astuto, como dizem ter sido Merlin, a tivesse ocultado no meio da vegetação, e tivesse criado uma réplica cravada num montículo de lama seca, para que o rei por ele escolhido, a extraísse sem esforço, para espanto e veneração dos que esperavam o seu advento.
     Podia ser...

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue