INSTRUÇÕES:

Outros dados, e cartas, no final da página

epi-Sódio burguês *

   Princípio de tarde numa casa de família, na calma tépida dum dia feriado. Soa o telefone e é a mulher do casal quem atende, atirando para cima do sofá o suplemento de Economia que lia.
   - Estou?
   No outro lado da linha, apenas silêncio. Quase se ouve a respiração dalguém no bocal, e a chamada cai.
   Ela volta a pegar no jornal, quase ao mesmo tempo que o telefone volta a tocar. Corre de novo para ele, atende, e a chamada volta a cair. Isto acontece mais duas vezes, até ela se fartar. Já tem a pulga atrás da orelha. Chama alto pelo marido que sobe da cave, onde se entretinha a arrumar a garrafeira.
   - Chamaste-me amor? - inquire.
   - Senta-te - ordena, com uma voz imperiosa, inflexível - ligaram para aqui três vezes seguidas. Devia ser para ti, porque desligavam sempre que eu falava. Devia ser dalguém que se esquecera de que eu, aos feriados, também ando por cá. Quem era, amor? Ou aliás, quem é vaca com que tu andas enrolado agora?
   - Mas...estás enganada! Não há mais ninguém, nunca houve, desde que nos casamos!
   - Cala-te! Sabes que eu detesto mentiras e detesto cobardias e, acima disso, só detesto cobardes que mentem. Fala duma vez!
Ele evade-se ás palavras e começa a chorar intempestivamente. Entre soluços e brados de arrependimento, lá vai contando.
   - Não é ninguém que se compare a ti...não tem importância alguma...eu não queria, mas ela é que se atirou a mim...é só sexo, amor, uma coisa de nada, e nem sequer sabe fazer bicos como tu...
   Volta a soar o telefone, e ela corre, determinada a cuspir fogo. Encosta o telefone à cara e faz um compasso de espera. Mas desta vez, ouve palavras do outro lado.
   - É a Bárbara?
   - Sim...
   - Sou eu, a Edite, a tua sogra. Queres lá saber, ontem vieram cá instalar um telefone novo que é só funções e teclas novas. Não percebo nada disto. Já tinha ligado para aí uma meia dúzia de vezes, e ainda não descobrira se já tinha feito a ligação ou não...





* "Na forma metálica o sódio é explosivo, em água é venenoso quando combinado com muitos outros elementos" (Wikipédia)


Geena

                No rincão das matas enegrecidas, onde as árvores carbonizadas se assemelhavam a costelas fraturadas do corpo de uma ...