Dar corda

     Hora de ponta, com os dois no carro de regresso a casa sob um Sol inclemente de fim de tarde. O homem está ao volante, mas começa a denotar lentidão de reflexos e reacção, demora nos gestos. A mulher pede para ele encostar. "Deve ser do calor...", pensa ela, enquanto lhe levanta a camisola, aplica-lhe a chave nas costas e dá à corda até lhe repor a energia e as forças. Nessa noite, na cama de casal, a cena repete-se, com ele enganchado entre as suas coxas em plena penetração. Era demais. Como ainda estava dentro da garantia, no dia seguinte, foi entregá-lo à loja, para reparação. No impresso, inquirem a natureza da anomalia, e ela escreve: "hipersensibilidade ás variações térmicas".

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue