8'BRO 2: debater-se

   - Sinto-me aborrecido - desabafou com o pajem - são tristes os dias dum guerreiro quando não há guerras nem batalhas para travar. E as armas...as armas definham e enferrujam, temos de estar sempre a polir a lâmina das espadas, e a manter preparada a armadura, o cavalo, as hostes. O sangue coalha-nos nas veias, criamos gordura como porcos para a matança, cheiramos a bafio e a ranço como a vossa comida.
   - O que pensais fazer senhor? Invadir algum couto vizinho? Participar em justas de cavaleiros?
   - Não, já sei! - exclamou com um súbito entusiasmo - Já sei o que vou fazer! Há muito tempo que não luto contra mim mesmo, e é disso que preciso neste momento, uma luta feroz e encarniçada até ao completo esgotamento das forças, uma batalha que só terá o seu fim quando o oponente jazer por terra sem mais forças ou armas para combater.
   - E acha isso prudente, meu senhor?
   - Claro que sim,conquanto tu lhe vistas a armadura...

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue