o que não esquece

   Na linha de identificação da polícia, diversos facínoras estão alinhados. Vestem calças de tirilene, camisas de manga curta, botas de mato, e uma espingarda desmuniciada ao ombro. Na cabeça de cada, um chapéu colonial bege. Do outro lado do vidro, na sala reservada ás testemunhas, um elefante sem presas estuda-os atentamente.

4 comentários:

  1. maria.c22:48:00

    Os elefantes têm presas 8)

    ResponderEliminar
  2. Bem, a este elefante, entendi que, além das presas, lhe foram tirados até os chifres que não possui!

    ResponderEliminar
  3. Ups, perdoem a falha, está corrigido :). Obrigado!

    ResponderEliminar
  4. Ora José, seria mais tonteria se o elefante ficasse sem os chifres que não possui!

    ResponderEliminar

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...