milonga

   Diego Albornoz adormece na sua sala, a ouvir uma milonga no estéreo. Adormece e sonha com noites fogosas de bebida e mulheres, e duelos de punhais por mulheres e bebidas. Diego acorda, aliviado, mais incomodado pelo sonho do que pelo punhal que tem cravado no peito.


Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...