Medo e resposta

   - Este é o meu cão! - apresentou-lhe o paciente no relvado do sanatório.
   Olhou para onde o homem apontava mas não viu cão nenhum, apenas um canteiro pobre com algumas margaridas com sede.
   - Se olhar bem, pode ver como ele é habilidoso e esperto. Senta-se sobre as patas traseiras e estende a pata. E também abana a cabeça quando assobiamos.
   E assobiou então, de costas para o seu cão.
   - Está a vê-lo? - perguntou.
   - Ele...não está a fazer nada...
   - Claro que não, ele é muito tímido e não o conhece, deve estar a fingir que é uma margarida enquanto você olha para lá com esse seu olhar assustador. Faça-me um favor, afaste-se uns passos como se estivesse a ir embora e então olhe por cima do ombro, se o quer ver a fazer habilidades.
   Obedeceu, com receio de contrariar aquele desconhecido. Afastou-se uns passos, mas não chegou a olhar por cima do ombro porque pôde ouvir uma margarida a rosnar.



1 comentário:

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...