estratégias de sobrevivência

    A sonda marciana Phoenix desce o declive suave do côncavo duma cratera. Recolhe amostras e faz medições. É uma máquina mas parece solitária como um homem sem amigos e sem família. Mete pena.
   A uma dúzia de metros da sonda estão duas rochas altas, aparentemente comuns, de cor castanha e quase lisas. São dois marcianos que olham para a sonda enquanto esta os filma.
   - Dizemos-lhe alguma coisa? - pergunta um.
   - Não! Levamos muitos séculos a transferir-nos para estas formas duradouras. Seria o nosso fim.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...