estória doméstica


   Na escuridão da noite, os nossos utensílios de cozinha reúnem-se em celebrações secretas. Eu sei, porque assisti a tudo. Foi engraçado ver como as facas imitavam os efeitos sonoros dos filmes de capa e espada, e as colheres a balançar-se como vaidosas mulheres, e os coadores que faziam ecoar os seus cânticos, enquanto, em volta deles, o passe-vite rodava, veloz. Mas o que mais me divertiu, e a todos os outros utensílios, foi ver o esfregão de palha-de-aço a fazer de palhaço.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...