Coração, solitário encarcerado

- Olá, senhor Francisco. Viu a minha mulher por aí? É que eu passei o dia fora e ainda não fui a casa.
- Não, Romão, aqui no café não apareceu e olhe que ela passa sempre aqui; e nem a vi sequer passar na rua.
- Nesse caso é bom sinal, tinha medo que ela conseguisse sair do quarto onde a tranquei à chave.



Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...