a beleza do acordar

   Da mesma forma que algumas televisões, ao serem ligadas, acendem-se no mesmo canal que exibiam quando tinham sido desligadas, também a vida intrínseca ao sono de Ângelo Ibarrúbia seguia um mecanismo idêntico. Há pelo menos trinta e seis anos que Ângelo Ibarrúbia desenvolve o mesmo pesadelo quando dorme, e digo pelo menos, porque o Ângelo não tem uma memória muito precisa dos primeiros meses de vida.



Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue