Dos milhões de palavras que existem, ela seleccionou apenas as mais afiadas e contundentes, estas, de lâmina em fio, aquelas, aguçadas como dardos, aqueloutras, pesadas como martelos de ferreiro. E usou-as sabiamente, com a ciência e a paciência dos torturadores. Deixou-a a sangrar por dentro e sumiu-se pelas vielas como um assassino encapuçado.

Sem comentários:

Enviar um comentário

arenga sobre o amor

«Tu és a mulher amada: destrói-me! Tua beleza /Corrói minha carne como um ácido! Teu signo / É o da destruição! Nada resta / Depois de ti ...