Esperas

   - Número oitenta e quatro?
   - Sou eu - disse, agitando a senha na mão - vinha tratar deste assunto das confrontações da partilha de bens com um senhor Alcino...
   - Enganou-se na fila. Primeiro andar, sala quatro.
   - Mas eu já estou há duas horas à espera, e disseram-me que era aqui!
   - Primeiro andar, sala quatro. Quando chegar ao cimo da escada, flecte duas vezes à direita, uma à esquerda e é a sala ao fundo do corredor, a que tem o retrato do rei Dom Carlos na parede do fundo.
   Abaixou as orelhas e obedeceu. Escadas, duas à direita, uma à esquerda, sala ao fundo do corredor. Ao fundo do corredor não havia sala, eram as escadas do lado oposto do edifício.
Entrou na primeira sala que viu com gente dentro. Três filas de atendimento, três dispensadores de senhas, fechou os olhos e tirou uma. Esperou. Quatro horas.
   - Número quatro!!
   - Sou eu. Vinha falar com um senhor Alcino por causa das partilhas. Disseram-me que era neste andar, e espero sinceramente que seja o senhor!
   - Não me baptize, que eu não tenho idade para isso. É neste andar mas não aqui, eu ajudo-o mas tem de ir com muita atenção porque isto é um labirinto de salas e corredores. Sai aqui à porta e vira à direita, depois à esquerda e novamente à direita. Vai encontrar o departamento do Contencioso e, ao lado deste, a sala onde se pode entrevistar com o senhor Alcino. Identifica facilmente a sala porque deve conservar um retrato do rei Dom Carlos na parede do fundo.
   Cumpriu as instruções, fazendo figas. Direita, esquerda, direita, a sala do Contencioso e, ao lado - lá estava!! - uma sala grande com o retrato do rei Dom Carlos ao fundo.
   Não conseguiu reprimir um pequeno grito de alegria. Entrou na sala. Não tinha ninguém, mas não estava vazia. Além do retrato e das teias de aranha, podia admirar secretárias e cadeiras carunchosas, tinteiros de tinta seca, e pilhas de papéis amarelados pelo tempo. A um canto, no chão, em meio a pedaços de madeira que deveriam ser o que restava dum banco comprido para os que esperavam a vez, descobriu o crânio com chifres e os ossos maciços do corpulento Minotauro.

Mensagens populares deste blogue

A viagem

Abril de 1918 - o caminho para uma Primavera de sangue